Uma Corda, Um Cordel

Menu

Um drama familiar

por Silva Júnior

Compartilhar

Vou contar-lhes uma história

Dessas que nos faz pensar

Rever os nossos conceitos

E parar para analisar

A forma que conduzimos

Também o que construímos

No seio do nosso lar

Num lugarejo distante

Bel e Paulo se cruzaram

Atraídos pela paixão

Os olhos se entrelaçaram

O coração disparado

Pelo cupido flechado

Os seus destinos traçaram

Não demorou muito tempo

Casaram, formaram um lar!

Carinho, palavras doces

Não tinham o que reclamar

Bob, o fruto desse amor

Não tardou, logo chegou!

Para a alegria aumentar

Paulo logo se mostrou

Como pai muito ausente

Na farra com os amigos

Isso o deixava contente

Bel cuidava da prole

E para manter o controle

Tornou-se condescendente

A sua função de mãe

Transferiu ao celular

Jogos, vídeos engraçados

Para o filho acalmar

No meio da discussão

Desordens e palavrão

Virou rotina no lar

E Bob cada vez mais

Sem limites se mostrava

Os pais para ter sossego

Tudo que pedia, dava!

Cada mal feito um presente

E para vê-lo contente

Jamais o contrariava

Nas festas de aniversário

As mesas iam pro chão!

Gritos, choro, histeria!

Sua forma de apelação

Os pais para tranquilizar

Presente diz que vai dar

Pronto, resolvida à situação!

Tão logo fez quinze anos

Uma moto do pai ganhou

Com a promessa assumida

De estudar e ser doutor

Bob era só alegria

E logo no mesmo dia

Pra balada se mandou

Passava da meia noite

Nenhuma notícia dava

Mensagens e Ligações

Pra ele não importava

Mãe com aperto no coração

O pai fazendo serão

Aproveitando a noitada

Já passara das cinco horas

E finalmente, Bob chega!

Quase não fica em pé

Pra entrar uma peleja

A mãe vem em seu amparo

E apesar do embaraço

O seu coração sossega

Somente às sete horas

Paulo resolve voltar

Da sua vida de boêmio

Ausente total do lar

E como se nada houvesse

Na calma e sem estresse

Vai logo é se deitar!

Bel na sua solidão

Começa logo a chorar

O celular é a companhia

Pra poder desabafar

E nas redes sociais

Os problemas existenciais

Bel busca solucionar

Não tarda e logo as fofocas

Aos montes vem a chegar

Enchendo sua cabeça

Tumultuando o seu lar

Cada dia que passava

Tudo em casa embaçava

Estavam a se afundar

Reunião em família

Momentos pra conversar

Estavam cada vez mais raros

A companhia, o celular!

E toda aquela harmonia

Que outrora existia

Começou a se afastar

Na escola os problemas

Parece não ter mais fim

As cartas da direção

Ignoravam tudim!

Sem a presença dos pais

As coisas que eram banais

Pioraram um bocadim!

Bob não tinha respeito

Por colegas, professores

Se metia em confusão

Era o rei dos bastidores

Ia de mal a pior

Fazendo o seu terror

Os pais como espectadores

Como foi hoje na escola?

Vamos juntos conversar?

Os pais não se preocupavam

Ao menos em dialogar!

Sem rumo Bob seguia

Sem lei, sem hierarquia

Onde deveria ser um lar

O seu projeto de vida

Comprometido estava

Notas baixas, reprovado!

E Bob só aprontava

Sem saber o que fazer

E para o satisfazer

Mais um presente lhe dava

Desta vez um celular

Top, de última geração!

Em troca o comportamento

Nas aulas, concentração!

Não demorou muito tempo

E aquele falso acalento

Sumiu do seu coração

Sem saber de onde veio

O celular logo quebrou!

Num acidente de moto

Alguns ossos fraturou

Aos pais só o sofrimento

E a crise no casamento

Mais uma vez se instaurou

Isto é por sua culpa!

Paulo acusava Bel

Só vive no celular!

A casa é um escarcéu!

Se fosse dona de casa

Dedicada, atenciosa!

Aqui seria um céu!

Com desespero Bel grita

Se sou culpada, és também!

Vive nos bares, na noite!

Não me trate com desdém

Cuidar da nossa família

Educar, dar-lhes guarida

É coisa nossa, de mais ninguém!

O silêncio toma conta

Daquele embaçado lar

Por um momento parece

Que tudo veio aclarar

Suspiro, choro, abraço

Momento de embaraço

Mas também de perdoar

Um pedido de desculpas

Por tudo que aconteceu

As palavras proferidas

O que marcou, que doeu

Passar uma borracha na dor

Fazer florescer o amor

Que por tempo se emudeceu

Enquanto Bob curava

Dos traumas da sua dor

Os pais na igreja do bairro

Foram juntos pro louvor

Juntos, irmanados na fé

Enfrentando o que vier

Em nome do seu amor

Em todos os seguimentos

Escola, na sua vida social

Tempo, hora pra chegar

Voltando tudo ao normal

Pais presentes, nova ordem

E o que antes foi desordem

Sepultaram na moral!

Reuniões da escola

Sempre estavam lá!

E o resultado efetivo

Não demorou a chegar!

Notas altas, aprovação

Família em comemoração

Bob passou no vestibular!

Em casa o compromisso

Do diálogo resgatar

Família sentada a mesa

Para o lanche e o jantar

Conversa no olho a olho

Pra eles virou trambolho

Este tal de celular!

Não existe uma família

Em que problema não há!

Mas a união faz a força

E juntos devem lutar

Com fé, esperança, amor

Sorriso ao invés de rancor

Para a paz reinar no seu lar

Seguindo esses preceitos

Bel e Paulo resgataram

A harmonia em família

Que por anos renegaram

Bob hoje é doutor

Aprendeu que com amor

Qualquer querela superam

Portanto caro leitor

Se enfrentar essa questão

Não deixe de acreditar

Tenha fé, disposição!

Família em primeiro lugar

Defenda com força seu lar

Tenha sempre Deus no coração.