Uma Corda, Um Cordel

Menu

Festas Juninas

A festa historicamente

Já está relacionada

Com uma festa pagã

A qual era celebrada

Sendo que na Idade Média

Ela é cristianizada.

Se tornando a mais famosa

Festança de São João

Com mais dois Santos católicos

Segue assim a tradição

Santo Antônio vem primeiro

E São Pedro o último então.

A homenagem aos três Santos

Começou em Portugal

E depois em toda Europa

Espalhou de modo tal

E até mesmo no Brasil

Ela chegou afinal.

E foi logo se instalando

Neste chão hospitaleiro

Pois entrou rapidamente

No gosto do brasileiro

Um povo que já tem fama

De ser alegre e festeiro.

Na festa tem tanta coisa

Para a gente aproveitar

É uma festa de família

Que se deve conservar

São tantas atividades

Umas eu vou revelar:

Sendo os fogos de artifícios

Seguindo uma tradição

Servem para despertar

O tal Santo São João

E desejos e pedidos

São atados no balão.

Este nome original

Da quadrilha brasileira

Vem de uma dança francesa

Que de salão foi primeira

Mas a elite portuguesa

Quem trouxe a tal brincadeira.

E que se espalhou ligeiro

Pelo sertão nordestino

Eu mesma vi muitas vezes

Adulto, velho e menino.

Numa dessa improvisada

Careca perder o tino.

Pois é tanto que a notícia

Já percorreu mundo afora

Havendo na Paraíba

Um grande concurso agora

Com os estados vizinhos

Mas vence sem ter demora.

E no estado de Alagoas

A festa é de arrepiar

Muitos artistas famosos

Vão todos para dançar

E muitas comidas típicas

Um pouco saborear.

Há tantos outros estados

Que também são concorrentes

Pernambuco e Piauí

Com pessoas competentes

E Rio Grande do Norte

Envolvem toda essa gente.

Tem pamonha e tem curau

Milho cozido e salgado

Tem canjica e tem pipoca.

Arroz doce, bambocado

Cocada e pé-de-moleque.

Bolo também é citado.

As bebidas mais famosas

O vinho-quente e o quentão

Porém vai acontecer

Enorme variação

Cachaça também é aceita

E tem valorização.

E junto com a fogueira

Segue também o balão

Faz parte deste cenário

Apesar da proibição

Dizem lendas que ele leva

Recados a São João.

Até hoje ainda é comum

No Nordeste brasileiro

Pelas ruas das cidades

Formam grupos de festeiros

Pessoas deixam comidas

E bebidas no terreiro.

E na região Sudeste

As quermesses geralmente

São as festas populares

Que aglomera muita gente

Nas igrejas e colégios

E deixa o povo contente.

Também tem as barraquinhas

Comidas e tudo mais

Tem a dança da quadrilha

Que não fica para trás

Pra seguir a tradição

Até simpatia faz.

Minas Gerais é comum

Montar suas barraquinhas

Em chão de terra batida

E enfeitar com bandeirinhas

Pra quadrilha e brincadeiras

Com populações vizinhas.

Em relação à fogueira

Diz assim a tradição

Que então a prima Izabel

Ao dar a luz a João

Para avisar a Maria

Ela acendeu uma então.

E no Brasil ela serve

Também pra o frio esquentar

E para alguns alimentos

Nas suas cinzas assar:

Milho, pinhão e batata.

Ou o que mais precisar.

Hoje ela vai bem além

No intuito de competir

Pois até mais de dez metros

Ela já chegou medir

E com fogos de artifícios

Pra todo povo assistir.

Tem ainda o pau -de-sebo

Pra o visitante escalar

É tão escorregadio

Difícil de segurar

E lá no alto tem as prendas

Pra quem consegue chegar.

Mastro com cinco a seis metros

De altura já é ideal

No seu topo uma bandeira

Do seu Santo é essencial

O padroeiro da festa

Bem enfeitado afinal.

O casamento caipira

Pode ser de brincadeira

Mas sua organização

Não está para besteira:

O padre, padrinho e noivos

Vai até a hora derradeira.

Os arraiás todos contam

Com barracas atraentes

Como a barraca-do-beijo

Brincadeiras diferentes

O tiro-ao-alvo e tantas outras

Cadeia para os presentes.

Tendo um braseiro no chão

Deve ser atravessado

Descalço, com a promessa,

Que nunca será queimado

“quem tem fé não queima o pé”

Assim que diz o ditado.

De Norte a Sul do Brasil

Neste mês é só festança

Seguindo essas tradições

Desde o adulto até criança

Vai seguindo as influências

E os costumes na lembrança.

Em Mato Grosso do Sul

Também não deixa de ter

A sua diversidade

Que só agrega mais saber

Toda contribuição

Ajuda o povo a crescer.

Por ainda ser tão novo

E também em formação

Toda cultura trazida

Tem boa adaptação

Sendo uma delas sem dúvida:

A Festa de São João.

De São João ou São Pedro

Santo Antônio e algum mais

O povo já comprovou

Que está gostando demais

Como em um mês está pouco

Tem outros já habituais.

E esse clima continua

Além da festa junina,

No mesmo pique e no tema

Tem a julina e agostinha

E se assim continuar

Nem sei quando ela termina.

Esses festejos juninos

Louvando assim São João

Enquanto se deliciam

Na festança com quentão

Comida típica enfim

Como o exemplo do quindim

Representa a região.