Uma Corda, Um Cordel

Menu

As topadas de Anunciação

AS TOPADAS DE ANUNCIAÇÃO

Autor: Júnior do Cordel

Adaptado de um causo contado por Rolando Boldrin

A cidade campesina

Encravada no sertão,

De nome, Anunciação,

Traz consigo uma rotina

Ou quem sabe uma sina

Que causa um mal estar.

As mulheres do lugar

Traem com facilidade

A tal da infidelidade

É fácil de encontrar.

Vez por outra acontece

Na cidade, um quebra pau.

A mulher do Ladislau

Que às vezes desaparece

E só quando anoitece

Retorna para o seu lar.

O cabra a desconfiar

Causa grande confusão.

Neste dia o sertão

Tem muito pra comentar.

Não se fala em outra “brisa”

Todos dão opinião:

- Faz tempo, “né” de hoje não!

- Dizem até que Adalgisa,

Com aquela cara lisa

Bota galha no José!

O pobre envolto na fé

Não tem nenhuma maldade.

Pregando a caridade

Esquece até da “muié”!

Por conta deste adultério

A cidade ganha fama.

E quem não gosta, reclama:

- Tudo isso é impropério

- Ninguém mais nos leva a sério,

Onde isto vai parar?

Pra tentar amenizar

Um pensamento surgiu.

O Padre então sugeriu

Um nome novo criar.

Se a “galha” for colocada

Fica assim bem decidido:

- Pra o pecado cometido

O novo nome é topada.

Então fica disfarçada

Diminui a exposição.

Logo em Anunciação

Finalmente a paz reinou!

Se uma topada levou

Resolve na confissão.

Na igreja diariamente

Era uma fila danada!

- Padre, dei uma topada!

- Peço perdão novamente!

O Padre pacientemente

Passava a penitência:

Procure agir com decência

Que Deus dará o perdão!

Mesmo com todo sermão

Topada, não tinha ausência.

Um certo dia porém

O velho Padre morreu!

E então se sucedeu

A troca, como convém;

- Já sabem quem é que vem?

Era só o que se falava.

Na mesma noite chegava

Novo Padre pra assumir

E por sua vez ouvir

Confissões de quem pecava.

- Padre dei uma topada!

Qual a minha penitência?

Errei e peço clemência,

Já estou envergonhada,

Esta é a quarta topada!

Não sei mais o que fazer.

Se voltar a acontecer

Aqui eu não volto mais!

- Calma filha, fique em paz

O perdão você vai ter!

Foi só uma topadinha!

Pecado isso não é!

Fique em paz com sua fé

Continue andar na linha.

A mulherada caminha

Com falta de atenção.

Só em Anunciação

A topada é geral

Isso já não é normal,

Tem que ter explicação!

Vou até a autoridade

Pra o problema resolver.

Pois está pra acontecer

Um mal maior na cidade.

Prefeito por caridade

Veja a pavimentação

Ajude a população

Não tem dedo que aguente

A topada é recorrente

E não cabe confissão.

Por conhecer a história

Começou a gargalhar!

Do Padre a desdenhar

Com uma certa ironia.

Tranquilo, na calmaria

O Padre sem entender

Diz: - Cuide de fazer!

Pois sua esposa amada

Já levou tanta topada

Que os dedos estão a arder.